quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Sustentável 2011_27/09


Desafios do futuro da economia verde no Brasil e mundial

País é apontado como liderança do novo cenário global da Sustentabilidade
O 4º Congresso Internacional sobre Desenvolvimento Sustentável reúne mais de 50 especialistas mundiais, empresas, Ongs e sociedade civil em palestras e oficinas sobre o assunto. Organizado pelo Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), o evento apresenta iniciativas diferenciadas com objetivo de discutir os principais rumos da economia verde nos próximos 40 anos.
O Chairman do CEBDS e CEO Philips Brasil Marcos Bicudo, destacou projetos no setor como o "Rio Cidade Sustentável", iniciativa do governo estadual e municipal que visa usar a sustentabilidade em projetos e obras da cidade. "Esse será um dos cases para o Rio +20". O Presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, citou durante a abertura que uma das soluções mais práticas para diminuir o uso da energia comum é utilizar cada vez mais os meios de transportes públicos. "Acredito que dessa forma é possível reduzir a utilização de energia fóssil.".
O Secretário Assistente e Diretor Executivo da ONU para Rio +20, Brice Lalonde, enfatizou que o Brasil tem o papel de liderança no cenário global da Sustentabilidade. "O País deve aproveitar o fantástico momento que está vivendo e dar nova direção para as questões sustentáveis", disse. O Subdiretor geral no Ministério do Meio Ambiente da Holanda, Hugo Von Meijenfeldt acredita que a importância desse evento é ouvir, como membro do governo, o que as pessoas têm a dizer sobre sustentabilidade. O Ministro ainda falou como as empresas devem continuar pensando no lucro, mas de uma forma diferente, inclusive utilizando elementos da sustentabilidade. "É mais fácil reutilizar materiais do que procurar novos", alertou.
O diálogo com os participantes do evento também é considerado pelo Diretor do WBSCD, Peter Paul Van Wijs, como uma oportunidade de repensar as questões sustentáveis. O aumento da população é para ele um tema também a ser discutido, uma vez que em pouco tempo, a população mundial vai aumentar em 1/3, o que faz com que se pense mais sobre fatores como educação, saúde e consumo de bens. "O grande desafio será conciliar o crescimento da população com a degradação do meio ambiente".
A Secretaria da Articulação Institucional e Cidadania Ambiental, Samyra Crespo, destacou o processo brasileiro de engajamento na Rio +20. Para ela, existem três desafios a serem enfrentados no evento: honrar o legado da Rio 92, superar o pessimismo sobre o contexto internacional e mobilizar o Brasil em torno do tema. Sobre a esfera internacional, Crespo acredita as barreiras a serem superadas são a segurança climática, energética, alimentar, hídrica e paz. Durante a cerimônia, a Secretária falou sobre o grande otimismo sobre a vinda da conferência ao Brasil. "Temos boas experiências em projetos sustentáveis, agora é a nossa vez de ganhar escala". Além de falar sobre o desejo do Brasil em mostrar sua agenda, Samyra enfatiza a importância de acolher as ideias de outros países. "Agora é a hora e a vez do nosso desenvolvimento, e que ele seja sustentável", comentou.
Rio de Janeiro no foco sustentável
Também presente na abertura do evento, o vice-prefeito do Rio de Janeiro, Carlos Alberto Muniz, destacou a importância da cidade em receber esse tipo de evento e os projetos para os próximos anos para adaptar a cidade em um local mais sustentável. "Estamos em parceria com o Governo e com o CEBDS para o engajamento de ideias sustentáveis como coleta seletiva na cidade. Queremos mostrar que podemos produzir novos conceitos, através de incentivos de todos". Carlos Alberto afirmou ainda que para os próximos grandes eventos, Copa e Jogos Olímpicos Rio 2016, já espera contar com novos elementos sustentáveis na cidade.
Fotos do evento disponíveis em www.sustentavel.org.br

Sustentável 2011_27/09


Iniciativas sustentáveis do empresariado e perspectivas para a Rio+20 dão o tom do segundo dia do Sustentável 2011
A crescente participação do empresariado brasileiro na área da Sustentabilidade e a as principais perspectivas em torno da Conferência Nações Unidas Rio+20 abriram as discussões do segundo dia do 4º Congresso Internacional sobre Desenvolvimento Sustentável Sustentável 2011. O evento, organizado pelo Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), termina amanhã, 29 de Setembro, no Píer Mauá, no Rio de Janeiro.

Marcos Bicudo, Chairman do CEBDS e CEO da Phillips Brasil apontou durante a plenária De Estocolmo a Rio+20 a ampliação da participação do empresariado em iniciativas de Sustentabilidade. Em 1972, apenas um empresário do setor privado esteve presente. No momento atual temos uma maior participação no processo. Hoje, por exemplo, o CEBDS conta com 64 empresas associadas, destacou. A presidente do CEBDS, Marina Grossi, completou que não só as empresas estão ganhando espaço na discussão, mas também todos os outros setores. É necessário organizar a participação de todos os atores para darmos concretude ao tema, avaliou.
A Internet como ferramenta de comunicação da Sustentabilidade também ganhará cada vez mais espaço, apontou o Secretário Assistente e Coordenador Executivo da Onu para a Rio +20, Brice Lalonde. Hoje, a Internet pode contribuir com um maior engajamento da sociedade para o evento. Diferentemente de Estocolmo, temos esse meio para divulgar nossas opiniões.
Já o Ministro do Superior Tribunal de Justiça, Antônio Herman Benjamin, relembrou o motor ético da Conferência Eco 92, uma vez que não existiam leis que protegiam o meio ambiente e encerrou afirmando que é necessário amarrar os debates às ferramentas legais, pois é fundamental deixar um marco legal que incorpore as diversas visões.
Perspectivas
Durante a plenária Perspectivas para a Rio+20, a Diretora e Representante do PNUMA para a América Latina e Caribe, Margarita Astralága, destacou ainda que as soluções sustentáveis foram encontradas e são conhecidas. A grande questão é como colocá-las em prática. Os esforços não devem ser concentrados só no meio ambiente, mas em elementos-chave para o nosso futuro, para que o desenvolvimento seja sustentável com a participação de todos: governo, cidadãos, setores públicos e privados, ressaltou.
Já a crescente importância dos países emergentes foi alvo da plenária Nova Governança: O papel dos Emergentes, que contou com a participação da Presidente da Iniciativa Empresarial Nacional, da África do Sul, Joanne Yawitch, do Subdiretor Geral do Ministério do Meio Ambiente da Holanda e do Diretor do Instituto Brics, o indiano Rakesh Vaydianathan.

Fotos do evento disponíveis em www.sustentavel.org.br