Série Olímpica III - ep.27 - Conheça a história de Kathrine Switzer e agradeça a ela pela oportunidade de correr

 


Runnersworld.com

MULHERES NOS ESPORTES

COI - 2018

Você é mulher? Já correu alguma Corrida de Rua? Uma Maratona? Ou gostaria de correr? Participa de algum esporte? Então você precisa conhecer a história de Kathrine Switzer e agradecer a ela pela oportunidade.

Se tornar pioneiro em algo é fazer história. Você quer ser um presente para o mundo? Então tem que vencer desafios, ter coragem e determinação, aliás, estes são dois dos 7 valores olímpicos: respeito; igualdade; amizade; excelência; inspiração; determinação e coragem. É sobre estes valores que o texto, a seguir, se debruça.

A  Maratona de Boston é uma das maiores e mais antigas do mundo. Em 19 de abril de 67 estavam inscritos 741, entre eles havia o número 261, da atleta Katherine Switzer. Todos preparavam-se para participar de um marco no esporte e para vida de muitas sucessoras. A partir dela, a mulher continua driblando desafios e lutando pela igualdade de participação e na premiação.

 “Você não quer ser uma torcedora. Torcedoras torcem por outras pessoas. E você quer que torçam por você. O jogo é no campo. A vida é para participar, não para assistir.” – disse o pai de Katherine a ela.

ESPN. Katherine Switzer. Disponível em: < http://www.espn.com.br/video/685111_50-anos-de-historia-kathrine-switzer-e-a-primeira-mulher-a-ter-disputado-oficialmente-a-maratona-de-boston >  . Acesso: ago.2020.

 

A americana Katherine Switzer tinha 20 anos quando abriu as oportunidades para as mulheres avançarem para além do papel das cheers leaders (líderes de torcidas). À época ela não sabia, mas, sim, ela mudaria o rumo dos esportes.

Há 53 anos atrás, Katherine Switzer foi a primeira mulher a ter disputado oficialmente uma Maratona, em Boston. O dia 19 de abril de 1967 era uma quarta-feira de chuva com granizo, vento e neve no local onde os atletas pegariam seus números de peito, na Hopkinton High School.

A Maratona começou ao meio-dia. Pode-se dizer que é sempre um grande presente para qualquer atleta, quando se tem mais tempo de sono. Geralmente, as largadas de Maratonas e Corridas de Rua acontecem nas primeiras horas da manhã, simplesmente porque as cidades são feitas para os carros, não para pedestres, ou, praticantes do pedestrianismo. É preciso marcar a largada da prova cedo para que o desbloqueio de ruas e avenidas aconteça o mais rápido possível , nas grandes cidades. Para o corredor, ou, corredora, é um benefício, quando se tem mais tempo para digerir os alimentos que serão os combustíveis para um dia longo de calor, ou de frio, de esforço físico e mental. 

“Enquanto corríamos para a largada, Tom disse: Deus, você está usando batom! Eu sempre uso batom. O que há de errado nisso?. Alguém pode ver que você é uma garota e não deixar você correr. Tire." "Não vou tirar o batom." Disponível em: https://kathrineswitzer.com/1967-boston-marathon-the-real-story/> Acesso em: ago. 2020.

 

 

Foto: Divasmontanhistas.com

Você deve estar se perguntando como essa mulher conseguiu se inscrever? O formulário, desta corrida, pedia a primeira letra do nome e o sobrenome, não daria para identificar se era homem ou mulher e foi assim que ela conseguiu o número de inscrição, 261.

Afinal, descobriram que havia uma mulher entre os homens: muitos ficavam surpresos e, quando isso acontecia, ela sorria de volta ou retribuia com um pequeno aceno. “Sim, eu sou uma garota. Muitos desses caras falaram: ‘Ei! Você vai todo o caminho?’ ‘Puxa, é ótimo ver uma garota aqui!’ ‘Você pode me dar algumas dicas para fazer minha esposa correr? Ela adoraria se eu pudesse apenas começar.’”

Foi quando o organizador, Jock Sample, tentou impedi-la: “Instintivamente, virei minha cabeça rapidamente e olhei diretamente para o rosto mais cruel que eu já vi. Um homem grande, um homem enorme, com dentes à mostra foi colocado para atacar e, antes que eu pudesse reagir, ele agarrou meu ombro e me jogou para trás, gritando: "Dê o fora da minha corrida e me dê esses números!".

A sequência de fotos abaixo é o registro do horror, da fúria de um homem misógino que retratou exatamente o momento pelo qual passavam as mulheres. Uma era de trevas na qual as mulheres tinham suas capacidades físicas encabrestadas e de determinação subjugadas.

“Eu sabia que, se desistisse, ninguém acreditaria que as mulheres têm a capacidade de correr mais de 42 quilômetros. Se eu desistisse, todo mundo diria que foi um golpe publicitário. Se eu desistisse, isso representaria um retrocesso nos esportes femininos, muito para trás, em vez de para a frente. Se eu desistir, nunca comandaria Boston. Se eu desistisse, Jock Semple (organizador da prova) e todos aqueles como ele ganhariam. Meu medo e humilhação se transformaram em raiva.” – Kath. Disponível em: https://kathrineswitzer.com/1967-boston-marathon-the-real-story/ >. Acesso em ago.2020

 

Com mais de 70 anos, Kathrine deve continuar correndo e inspirando mulheres pelo mundo inteiro! Ao todo, ela já correu 35 maratonas, vencendo em 1974 a Maratona de Boston em primeiro lugar, com o tempo de 3h07min, e em segundo lugar em 1975, com o tempo de 2h51min. Criou programas esportivos em 27 países, foi comentarista esportiva de mais de 200 provas, viaja o mundo promovendo corridas e caminhadas femininas, e ainda escreveu o livro “Mulher de Maratona”. E por último, mas não menos importante: faz parte desde 2011 do seleto grupo de mulheres na calçada da fama dos Estados Unidos! Disponível em: https://www.divasmontanheiras.com.br/post/kathrine-switzer. Acesso em ago. 2020.

     Hoje em dia, a luta pela equidade aparece na discrepância dos valores pagos a homens e a mulheres nas premiações.

“Eu sabia que, se desistisse, ninguém acreditaria que as mulheres têm a capacidade de correr mais de 42 quilômetros. Se eu desistisse, todo mundo diria que foi um golpe publicitário. Se eu desistisse, isso representaria um retrocesso nos esportes femininos, muito para trás, em vez de para a frente. Se eu desistir, nunca comandaria Boston. Se eu desistisse, Jock Semple (organizador da prova) e todos aqueles como ele ganhariam. Meu medo e humilhação se transformaram em raiva.” – Kath. Disponível em: https://kathrineswitzer.com/1967-boston-marathon-the-real-story/ >. Acesso em ago.2020

 

   Com mais de 70 anos, Kathrine deve continuar correndo e inspirando mulheres pelo mundo inteiro! Ao todo, ela já correu 35 maratonas, vencendo em 1974 a Maratona de Boston em primeiro lugar, com o tempo de 3h07min, e em segundo lugar em 1975, com o tempo de 2h51min. Criou programas esportivos em 27 países, foi comentarista esportiva de mais de 200 provas, viaja o mundo promovendo corridas e caminhadas femininas, e ainda escreveu o livro “Mulher de Maratona”. E por último, mas não menos importante: faz parte desde 2011 do seleto grupo de mulheres na calçada da fama dos Estados Unidos! Disponível em: https://www.divasmontanheiras.com.br/post/kathrine-switzer. Acesso em ago. 2020.

Hoje em dia, a luta é pela equidade nas premiações. Em um mesma prova há discrepância dos valores pagos a homens e a mulheres nas primeira colocações.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sistema da economia de materiais

MENTES DE FERRO COMEÇA SUA HISTÓRIA

PROTAGONISMO JOVEM