segunda-feira, 18 de julho de 2011

Cardápio da sustentabilidade incluído

Cerca de 100 chefs experientes de São Paulo introduzem um ingrediente novo em seus cardápios, a SUSTENTABILIDADE


Práticas como a de:
recolhimento e destinação do óleo para geração de biodiesel e sabão;
Projetos arquitetônicos que privilegiam a iluminação natural (economizando energia) e a circulação de ar (o que exige menos refrigeração com aparelhos de ar-condicionado);
Utilização de tijolos de demolição e paralelepípedos reaproveitados após serem retirados de algumas ruas do bairro na construção dos estabelecimentos;
Fachadas é de madeira de reflorestamento pintadas com tinta ecológica e brises e vidros basculantes com perfis resgatados em ferros-velhos, 
Para decoração alguns empresários optam ou por móveis de papelão recoberto com compensado de madeira descartada e os estofamentos das cadeiras com revestimento de sobras de couro da indústria calçadista, ou por aqueles feitos de madeira certificada de reflorestamento; sem falar dos equipamentos de cozinha que podem ir do forno combinado a aparelhos de baixo consumo de eletricidade e alta eficiência, com os devidos selos.

Todo o lixo do local pode deixar de ter a vala comum dos lixões e ter destinação com menos impacto e mais inteligente envolvendo inclusive os clientes da casa, estimulando a evitar o desperdício e transformando os resíduos orgânicos em adubos por exemplo com destino certo, a hjorta dos seus fornecedores naturais e orgânicos, primando pela excelência do cooperativismo em resposta à competição e separando o que puder de reciclável.

A ONG paulista Trevo  recolhe por exemplo o óleo de cozinha que impacta o meio ambiente. Se o óleo é jogado na rede de esgoto ela deixaria de recolher cerca de 200 toneladas/mês  e de beneficiar cerca de 55 familias empregadas com renda de R$1.500,00 cada. A economia de água reduz em 40% os gastos em um restaurante. 


A gastronomia tem como adaptar o cardápio aos prodtuos da estação gerando também maior redução de emissões, já diminuiria o uso de transporte de longas distâncias para colocar na mesa do consumidor aquilo que seu país não te oferece naquele dia do ano, além da conservação desses alimentos, são produtos que necessitam de congelamento, etc. Alguns restaurantes e hotéis já fazem a compensação de carbono com o plantio de árvores. 

Iniciativas como a destinação correta dos resíduos antevê as exigências da nova Política Nacional de Resíduos Sólidos que exige a adequação de todos até 2012, com a inclusão da  rota de reciclagem e logística reversa, acordo para que as embalagens voltem ao processo produtivo ou tenham destinação correta. No Rio de Janeiro os restaurantes e outros setores, fizeram parcerias com cooperativas o que falta é maior participação e incentivos do Governo e Prefeitura.


Nenhum comentário: